Gerais

ELAS nas Exatas: conheça os projetos selecionados no edital que visa aproximar meninas das ciências exatas e tecnologias

24 janeiro 2018

Fundo ELAS, Instituto Unibanco, Fundação Carlos Chagas e ONU Mulheres anunciam o
resultado do 2º Edital Gestão Escolar para Equidade: ELAS nas Exatas, que visa
favorecer a inserção das meninas nas áreas de ciências tecnológicas e exatas por meio
da promoção da equidade de gênero e do reconhecimento da escola como um espaço
estratégico e importante na promoção dessa transformação.

Foram selecionados 10 projetos das 5 regiões do Brasil. São iniciativas que vão
promover capacitações em robótica, programação e desenvolvimento de games e
aplicativos; construção de protótipos de geração de energia elétrica; aulas e debates
sobre história de mulheres cientistas; observações astronômicas; oficinas de mídias
digitais e software livre; experimentos com plantas medicinais; etc. Jovens mulheres
negras, indígenas e quilombolas são algumas das proponentes das atividades.
Recebemos 113 projetos de grupos e organizações de Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal,
Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba,
Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul,
Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

“Estamos muito satisfeitas de poder viabilizar oportunidades em escolas públicas para
que meninas das 5 regiões do Brasil se aproximem e se apaixonem pelas ciências
exatas”, diz KK Verdade, coordenadora executiva do Fundo ELAS.
“Este edital busca fomentar práticas de gestão escolar e pedagógicas que, ao
reconhecer a existência de uma cultura que reflete as discriminações da nossa
sociedade, quebra estigmas e promove equidade em favor das jovens, ampliando suas
possibilidades de realizar quaisquer escolhas – neste caso, no campo das exatas. A
sólida capacidade técnica das pareceristas decidiu por 10 projetos que representam
todo o país, privilegiando uma diversidade de contextos para além de regiões
metropolitanas. Estamos satisfeitos com o resultado pois permitiu aliar a agenda de
equidade de gênero à étnico-racial” comentou Ricardo Henriques, Superintendente
Executivo do Instituto Unibanco.

“A busca por editais como o ELAS nas Exatas mostra a importância de trabalharmos
com gênero nas escolas. Colaborar com as escolas para a equidade na educação,
desconstruir preconceitos de gênero contribui para a autonomia das jovens mulheres
em suas escolhas profissionais. As mulheres têm muito o que contribuir para o
desenvolvimento da ciência e da tecnologia brasileiras”, argumenta Sandra
Unbehaum, da Fundação Carlos Chagas.

Participaram do comitê de seleção conselheiras do Fundo ELAS e especialistas das
áreas de direitos das mulheres, da educação e das ciências exatas. Os projetos foram
avaliados segundo critérios como: pertinência em relação à proposta definida pelo
edital; adequação da metodologia; adequação da aplicação dos recursos; viabilidade
técnica; amplitude dos efeitos na comunidade escolar; inovação; ações comunicativas;
impacto social local; promoção de diálogos com a sociedade e potencial de
replicabilidade.

Confira a lista de projetos aprovados:

Akotirene Kilombo Ciência
Organização: Instituto COMPaz
Triunfo/RS
Projeto vai promover oficinas e palestras nos campos da Astronomia, Biologia e
Química, com experimentos com plantas medicinais e observação do céu noturno,
além de rodas de conversa sobre mulheres nas ciências, envolvendo alunas da escola
parceira e da comunidade quilombola local.

Energéticas
Organização: Cientistas do Pampa
Uruguaiana/RS
Projeto vai promover rodas de conversa sobre mulheres nas ciências exatas, visitas a
laboratórios científicos, capacitação de grupos de meninas para construção de
protótipos de geração de energia elétrica a partir do aproveitamento da energia solar
e participação na feira de ciências da cidade.

LabElas: mídias digitais e software livre na Escola Estadual Indígena Pankararu
Ezequiel
Organização: AMIGP – Associação das Mulheres Indígenas Guerreiras de Pankararu
Tacaratu/PE
Projeto visa oferecer oficinas em mídias digitais e software livre para meninas
indígenas, capacitando-as na produção de rádio-documentários, podcasts, fanzines,
etc, para que, empoderadas no uso de tecnologias, reconheçam seus talentos e
oportunidades nas áreas de produção digital, tecnologia e comunicação, livres de
estereótipos de gênero e raça.

GTE – Grêmio Tecnológico d’Elas
Organização: Associação REDECA
Franco da Rocha/SP
Projeto visa articular a gestão escolar e o grêmio estudantil em atividades como
palestras de mulheres que atuam profissionalmente nas áreas de exatas e tecnologias,
oficinas práticas focadas em programação de microcontroladores e robótica e oficinas
de desenvolvimento de games e aplicativos.

Investiga Menina!
Organização: Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado
Goiânia/GO
Projeto vai promover ações coletivas para o benefício da comunidade escolar, visando
proporcionar experiências e informações sobre as contribuições das mulheres para a
criação de recursos científicos e tecnológicos. Serão desenvolvidos Objetos Virtuais de
Aprendizagem (OVAs) sobre história de mulheres cientistas contemporâneas,
intervenções pedagógicas com rodas de conversa e vivências interculturais em que as
estudantes terão contato com cientistas e pesquisadoras.

Projeto ProgrAmazonas
Organização: Associação Fab Lab Belém
Belém/PA
Projeto vai oferecer cursos teóricos e práticos de programação (Python, Arduino e
Programação web – HTML, CSS e JavaScript) ministrados por mulheres para mulheres,
discussões sobre o papel da mulher na tecnologia e palestras sobre a atuação feminina
no desenvolvimento de tecnologias na região amazônica.

Sou mulher, sou negra, serei exatas!!!
Organização: Conselho Escolar Professor Severino Pessoa de Luna
Chã de Alegria/PE
Projeto pretende, através da divulgação de histórias de mulheres negras cientistas,
despertar o gosto pelas ciências exatas, oferecendo também aulas de Matemática,
Química, Física, oficinas de Robótica, visitas técnicas a laboratórios de universidades
locais para as meninas e um seminário.

Gurias nas exatas
Organização: Meninas na ciência
Porto Alegre/RS
Projeto vai promover oficinas de robótica, observações astronômicas, visitas �
universidade com debates, palestras sobre ciências abertas à comunidade, exposições
itinerantes, formações para professores/as sobre estereótipos de gênero, além de
produção de material informativo sobre ciência e gênero.

Lugar de Mulher
Organização: Associação de Pais e Mestres da Escola Estadual Lino Villachá
Campo Grande/MT
Projeto vai realizar oficina de fotografia, técnica conectada com conhecimentos de
física, ótica, mecânica, matemática, proporcionalidade, geometria. A fotografia
também será usada como uma ferramenta para abordar questões como autoestima e
representação. Serão realizados ainda um grupo de estudos de ciências e matemática
preparatório para Olimpíadas de exatas, formação de professores e visitas a
universidades.

Engenheiras da Borborema
Organização: Mulheres na Engenharia: IEEE/UFCG
Campina Grande/PB
Projeto visa promover oficinas práticas de eletrônica, informática, energias renováveis
e programação, cine debate e rodadas de palestras sobre mulheres nas ciências, visitas
técnicas e capacitação de professores/as sobre novas didáticas para as exatas.

Acesse a página do Elas nas Exatas e conheça os projetos apoiados na primeira edição do edital. Acompanhe as atividades dos projetos apoiados no Facebook e no Twitter do ELAS nas Exatas.