História

2016

Foram realizados, em conjunto com as Secretarias de Educação, Diálogos sobre Gestão Escolar. Mais de 1.900 estudantes dos cinco estados parceiros do Jovem de Futuro conheceram mais profundamente o modelo de gestão escolar proposto pelo projeto, os princípios, valores e resultados esperados, para depois expressarem de forma artística e literária as impressões sobre o tema.

Cinco IUHacks, jornadas de aprendizagem com duração de 30 a 36 horas, foram realizadas em 2016. Em torno de 50 estudantes de cada um dos cinco estados integrantes do Jovem de Futuro “acamparam” por uma noite na escola escolhida para receber a maratona tecnológica.

2015

Início da terceira fase do Jovem de Futuro no estado do Espírito Santo e em novas escolas do Pará e do Piauí. O projeto teve seu formato aprimorado com base na experiência acumulada e no conhecimento adquirido no decorrer das etapas anteriores. No Ceará e em Goiás, o projeto completou o terceiro ano de implementação no formato ProEMI/JF. No Mato Grosso do Sul, o projeto foi descontinuado. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, as últimas escolas da fase piloto concluíram o ciclo do Jovem de Futuro

Lançamento do Sistema Instituto Unibanco de Análise da Rede Estadual de Ensino Médio (SITUA), que disponibiliza informações educacionais para as Secretarias de Educação

2014

Inclusão do terceiro grupo de escolas participantes do ProEMI/JF em Goiás, Ceará, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí. Em alguns estados, o Jovem de Futuro teve a primeira geração de estudantes do Ensino Médio que concluíram os três anos do projeto

2013

Inclusão de um segundo grupo de escolas participantes do ProEMI/JF em Goiás, Ceará, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí. Os processos e ferramentas do projeto passaram por revisão e aprimoramento

2012

Implementação em escala do ProEMI/JF nas redes públicas de ensino dos estados de Goiás, Ceará, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí, em parceria com as Secretarias Estaduais de Educação

Criação do Sistema de Gestão de Projetos (SGP) e do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA)

2011

Estabelecimento de parceria com o MEC e articulação do Jovem de Futuro ao Programa Ensino Médio Inovador, formando o Programa Ensino Médio Inovador/Jovem de Futuro (ProEMI/JF). No mesmo ano, foi criada a Rede Jovem de Futuro, formada pelas escolas que concluíram o ciclo do projeto, com o objetivo de compartilhar o aprendizado adquirido por meio de ações conjuntas e trocas de experiências e de informações

2010

Implantação do formato piloto do Jovem de Futuro no Rio de Janeiro

2009

Implantação do formato piloto do projeto em São Paulo. Reconhecimento do Jovem de Futuro como tecnologia educacional pelo MEC, após o projeto obter bons resultados na fase piloto. Essa validação possibilitou a sua aplicação em larga escala

2008

Início da fase piloto do Jovem de Futuro nas redes estaduais de Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Essa fase serviu como um laboratório para o projeto, em que foram testadas estratégias e metodologias e medidos seus impactos. Entre esses impactos está a melhoria da aprendizagem dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática. O Instituto Unibanco também assumiu a supervisão direta do projeto, fornecendo recursos financeiros para as escolas

2007

Primeira implementação do Jovem de Futuro nas quatro escolas selecionadas, situadas na vizinhança do antigo Centro de Estudos do Instituto Unibanco, em São Paulo (SP)

2006

Elaboração da primeira proposta de implantação do Jovem de Futuro e seleção das escolas participantes do teste do projeto