Seminário sobre avaliação externa e os desafios da gestão educacional reúne 400 gestores em Natal

O Instituto Unibanco e a Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do Rio Grande do Norte reuniram em torno de 400 profissionais da educação potiguar – gestores escolares, supervisores, assessores pedagógicos, gestores educacionais das regionais e técnicos da SEEC – no dia 19 de junho, em Natal (RN), para discutir a importância da avaliação externa para a gestão escolar voltada ao aprendizado dos estudantes. O seminário “A avaliação externa colaborando com os desafios da gestão escolar e educacional” faz parte das ações do programa Jovem de Futuro, que está sendo implementado em 141 escolas de Ensino Médio do estado. O objetivo do evento foi promover uma reflexão sobre como os números das avaliações educacionais podem e devem auxiliar a rede estadual de ensino a desenvolver estratégias que impactem a trajetória de aprendizagem dos alunos.

Foram entregues os resultados de 2017 das 141 escolas do Jovem de Futuro, das 16 regionais e da Secretaria, além das metas para 2018, de acordo com o Sistema Integrado de Monitoramento e Avaliação Institucional (SIMAIS).

Durante o evento, os gestores passaram conheceram experiências de gestão educacional de outros estados, como Ceará e Espírito Santo, que estão se destacando nos resultados de educação e usam as avaliações externas como um forte instrumento para isso.

A secretária estadual de Educação, Cláudia Santa Rosa abriu o evento, com a gerente de Implementação de Projetos do Instituto Unibanco, Maria Júlia Azevedo, e lembrou que a educação é um desafio permanente do estado. “Nós temos uma motivação única, que é contribuir para melhorar a educação do estado”, disse.

Maria Júlia destacou o envolvimento da rede como um diferencial: “Para fazermos uma mudança, junto com vocês, são necessários alguns momentos para refletir coletivamente e profundamente sobre questões como a avaliação externa e como podemos transformar resultados numéricos em algo que faça sentido para educação”.

Os resultados da avaliação do RN Aprende de 2017 foram apresentados por Afonso Gomes, subcoordenador de avaliação educacional da SEEC, e Waldirene Maria Barbosa, supervisora do setor de entrega de resultados da pesquisa de avaliação do Centro de Políticas Públicas de Avaliação da Educação (CAED), da Universidade de Juiz de Fora.

Afonso Gomes reforçou a importância de participação dos alunos nas provas e como a avaliação pode orientar os gestores a traçarem metas e ações. “Avaliação não vai por si só fazer os resultados melhorarem. Mas quando queremos melhorar o desempenho dos estudantes as metas ajudam a saber onde queremos chegar e a cada momento ver se estamos alcançando o que queremos”, disse Gomes.

Waldirene reiterou: “Avaliação externa educacional não é algo perfeito que dá conta de todos os desafios da escola e das redes de ensino. A forma como encaramos a avaliação é que faz a diferença. O conjunto de dados serve de base para que sejam tomadas decisões mais acertadas”. A especialista apresentou os resultados de proficiência da língua portuguesa e matemática da rede, que tiveram pequena melhora em relação ao ano anterior.

No painel da tarde, foram compartilhadas experiências de gestão escolar e avaliação externa de estados que vêm melhorando seus resultados, como Ceará e Espírito Santo.